Publicado 26/07/16 às 00:03

Coluna do Celson Bianchi


Entrevista Especial com Miguel Lucena- Diretor de Comunicação da Polícia Civil do Distrito Federal

Celson Bianchi- Como observador da cena política, o que mais o incomoda no momento?

Miguel Lucena-  A hipocrisia da maioria dos políticos, o que reflete muito do que acontece na sociedade. Os abraços, os sorrisos, os apertos de mão, os discursos, tudo parece elaborado para enganar e iludir. Não há espaço para a ética da sinceridade. Se as pessoas soubessem o que há por trás de cada CPI que se instala, a atmosfera ficaria irrespirável.


CB- Mas os delegados acabaram de aprovar em assembleia geral participar como voluntários na CPI da Saúde, para investigar as denúncias de Marli Rodrigues.

ML- Eu não estive presente à assembleia, mas considero um equívoco misturar campanha salarial com política. Além disso, não há previsão legal para o Delegado de Polícia realizar investigação como voluntário. O agente público deve fazer o que a lei manda e o particular pode fazer o que a lei não proíbe. Se a lei determina de modo diferente – a investigação de crimes é atribuição das Polícias Civis e Federal -, não há como os delegados auxiliarem a CPI, não estando cedidos formalmente, sem incorrer em ilegalidade.

CB-  Há faixas espalhadas pelo Sinpol sobre um suposto sucateamento da Polícia Civil. Isso procede?

ML- O discurso do sucateamento da PCDF não tem fundamento. É feito para reforçar um pleito justo e merecido, que é a recomposição salarial dos policiais civis. Temos a Polícia melhor equipada do País, contamos com modernos equipamentos de investigações e perícias criminais, viaturas novas, armas, munições, coletes à prova de balas novos (1.500 foram distribuídos às unidades operacionais, mais 350 foram adquiridos, 1.200 em processo de aquisição), novos policiais contratados, concursos em andamento e várias obras sendo realizadas.
As aposentadorias ocorrem normalmente e vão sendo repostas com novos concursos.
Ocorreram 344 admissões do ano passado para cá.
Já está sendo elaborado projeto de novo concurso para o preenchimento de 1.500 cargos de Agente de Polícia e 300 de escrivães em 2017.
As operações se realizam a cada dia com mais intensidade. Somente hoje (21/07), ocorreram duas grandes operações - a M2, para desarticular gangues de São Sebastião, e a Calabouço, que desmantelou uma organização criminosa que abria empresas de fachada para aplicar golpes no mercado.
No primeiro semestre deste ano, a PCDF prendeu mais de 6 mil criminosos.

CB- Após seu retorno como Diretor de Comunicação da Polícia Civil do DF, a instituição voltou a ser destaque na mídia. Qual é o segredo?

ML- Acreditar no que faz e gostar da missão escolhida. Como qualquer pessoa, o profissional de Comunicação gosta de consideração e respeito. Tem gente que só procura o outro para pedir coisas e se torna inconveniente, mas a relação se torna agradável quando há trocas. É isso o que eu faço. Fico em tempo integral à disposição dos profissionais da mídia, não deixo perguntas sem respostas, dou o retorno no tempo certo (a pior coisa para um jornalista é pedir uma informação e não obter nenhuma resposta), retorno até para dizer não, e se não puder falar a verdade, por conta do sigilo de algumas informações, não invento mentiras. Esclareço dúvidas jurídicas que porventura algum jornalista apresente. Trato com igualdade o profissional iniciante e o mais graduado, certo das voltas que o mundo dá. Informo internamente tudo o que acontece. Durmo tarde e acordo cedo. Travo o bom combate. Compreendo a Comunicação como atividade estratégica de Inteligência e não como departamento de fofocas.

CB- Você não teme desgaste com os sindicatos ao rebater as informações que eles repassam sobre o suposto caos existente na Polícia Civil?

ML- Não, porque tenho convicção do que faço. Sou filiado tanto ao Sindicato dos Delegados quanto ao dos Agentes e ainda contribuo para a Adepol e a Agpcc. Já fui diretor do Sindepo e da Adepol, bem como, no passado, da Federação Nacional dos Jornalistas, do Sindicato dos Jornalistas da Paraíba e do Sindicato dos Jornalistas da Bahia. Sempre participei de campanhas salariais e sei que o sindicalista tem uma responsabilidade muito grande ao passar informações à sociedade. Uma coisa é dizer que o efetivo está baixo, porque a população quase triplicou nos últimos 23 anos, e outra é dizer que existe um caos para justificar uma campanha salarial. A recomposição salarial é justa não porque há caos, mas porque há perdas inflacionárias grandes, da ordem de 50%, e os policiais civis trabalham muito bem e merecem. 

Outro erro é trazer a ideologia da divisão para dentro da Polícia Civil, jogando delegados e peritos contra as demais categorias. Todos têm seu mérito e sua importância. Incomodar-se com ordens superiores e fazer comparações entre quem faz e quem manda é o mesmo que pensar em colocar o assessor no lugar do juiz, o analista no lugar do promotor e o escrevente no lugar do tabelião.

Obrigatoriedade 

Sancionada hoje a Lei nº 5.682/2016, de autoria do Distrital  Robério Negreiros (PSDB), que obriga os Centros de Formação de Condutores (autoescolas) a disponibilizarem intérprete de Libras, sem custo adicional, aos alunos com deficiência auditiva, sob pena de multa de R$5.000,00 (cinco mil reais). "Acessibilidade é um direito de todos e uma grande luta de nosso mandato!" - disse Robério Negreiros. 

Reflexão do dia 

O modelo do #EscolaSemPartido ameaça processar educadores que discutirem sexualidade e gênero em sala de aula. Cadê a pluralidade defendida?

Erika KokaY (PT)- deputada federal 

Fonte: Jornal Alô Brasília

Publicado 25/07/16 às 17:19

Malfeitores com as barbas de molho


Esses recentes escândalos envolvendo o nome da Secretaria de Saúde do DF tem servido para alguma coisa. Alguns personagens que costumam fazer seus malfeitos estão com medo de mostrar a cara. Os que gostam de usar o nome dos poderosos andam apavorados. O pior é que o poderoso nem sabe que seu nome está sendo usado. Os que tentam se dar bem estão mais discretos e temerosos. Portanto, esse tipo de gente anda pisando em ovos. O mar não está para peixe.  

O Ministério Público do DF está na jogada e caso alguém tente algo pode se dar muito mal. Quem quiser pagar para ver, continue a fazendo coisas erradas. Muitas vezes não podemos citar nomes ou mesmo conseguimos provar. Porém sabemos como o malfeito é produzido. 

Bom, tudo tem o seu lado positivo, pude ver e comprovar.

Fonte : Redação 

Publicado às 12:39

Um Passarinho Me Contou



...que os últimos acontecimentos mostram que a política do DF realmente ressente de líderes. Nessas horas perguntamos: Cadê a oposição?...

...que os opositores não sabem fazer política. Quando não tem rabo preso são raivosos. A escassez de políticos diferenciados sabota Brasília...

...que os nossos opositores estão mais raivosos em não participar do governo do que indignados com as mazelas do Distrito Federal. Alguma dúvida disso?...

...que hoje as redes sociais são as verdadeiras opositoras. Se fosse depender dos políticos ditos opositores, as coisas ficariam na mesma. A força do povo...

...que os opositores vivem de passado e se prendem na Rorizismo e Arrudismo. Esse é um dos maiores erros dos pseudo-opositores. Nada de novo...

...que Roriz e Arruda foram importantes tanto para o bem e para o mal. Mas já passaram .
Os tempos são outros. Para frente que se anda...

...que se o governador Rodrigo Rollemberg tivesse acertado um pouquinho na sua gestão a oposição não teria a minima chance. Mas enfim...

...que o governador nesse momento precisa ter o máximo de inteligencia emocional. O seu discurso deve ser de apuração custe o que custar...

....que passar a imagem de rancoroso só o prejudica perante a população. No momento a sociedade só pede que tudo seja colocado em pratos limpos...

...que o Palácio do Buriti poderia aproveitar e fazer uma reforma administrativa em seu secretariado. Tem gente que não acrescenta nada...

...que parte dessa situação todos sabem que existe muita coisa errada nessa Secretaria de Saúde. Isso não é novidade alguma. Não contamos nenhuma novidade...

...que muitos sabem, mas não apuram a fundo as mazelas e conchavos dessa secretaria tão complexa. Seria um momento ideal de apurar essa sujeira...

...que não podemos esquecer: a delação do ex-senador Gim Argello foi homologada. Com certeza muita gente no DF está sem sono...

...que a deputada distrital, Liliane Roriz não foi alçada a presidência o PTB-DF. Quem será o presidente é Jafé Torres, sósia do ex-presidente da república Itamar Franco...

Eita Passarinho que sabe de coisas, gente!

Por Odir Ribeiro

Fonte: Redação

Publicado às 07:47

Coluna do Celson Bianchi


Entrevista Especial com- NILO CERQUEIRA, ex-Administrador Regional do Sudoeste/Octogonal por duas vezes, ex-Secretário de Relações Institucionais do GDF , ex- Superintendente Federal  do ministério da agricultura de Brasília. 


Celson Bianchi- Como você avalia os setores de saúde , educação e  segurança no DF?

Nilo Cerqueira- São três setores fundamentais, e certamente não existe uma forma mágica para melhorar a gestão nessas áreas, mas, se tivermos dirigentes comprometidos com o atendimento ao público,com a valorização dos servidores , que apliquem corretamente os recursos públicos, que estabeleçam um diálogo permanente com os setores de cada área e que não queiram fazer  trampolim político, talvez possamos chegar a um bom nível de gestão.

CB-  Como vê as denúncias no atual governo?

NC- Vejo com preocupação e tristeza. Espero que seja tudo apurado e punido quem cometeu algum ilícito. Práticas como essa não deveriam existir mais.

CB- Quando foi administrador do sudoeste /octogonal, por duas vezes alcançou excelentes índices de aprovação. Qual o segredo?

NC- Não tem segredo. Fiz do jeito que sempre encarei a vida pública, com muito diálogo com osmoradores , transparência , isenção , colocando sempre a sociedade acima de qualquer outro interesse e  respeitando as leis.

CB- Você foi secretário de relações institucionais do GDF. O que se deve observar nessas relações com os poderes?

NC- Respeito. Saber que os poderes são harmônicos,mas independentes entre si. Cada um deles tem que executar muito bem o seu papel e não interferir na seara alheia.

CB- Se o governador quisesse um conselho seu, o que diria a ele?

NC- Diria algumas coisas. Mas isso não acontecerá.


Emergencial 

O Plenário do Tribunal de Contas do DF decidiu, autorizar a continuidade do processo de contratação emergencial de serviços de vigilância pelo Governo do Distrito Federal (Processo 21720/2016), desde que o GDF efetue mudanças no projeto básico e na planilha de custos e formação de preços do edital. A contratação havia sido suspensa pela Corte na última terça-feira, 19 de julho.

Emergencial 2

O Tribunal condicionou o prosseguimento da contratação emergencial à comprovação, pelo GDF, de suficiência de recursos orçamentários e à publicação no Diário Oficial do Distrito Federal de Aviso de Dispensa de Licitação e do ato da autoridade superior ratificando contratação emergencial.

Emergencial 3

O plenário também considerou procedentes os questionamentos feitos em duas representações relativas à contratação emergencial, protocoladas pela Brasfort Empresa de Segurança Ltda. e pelo Sindicato das Empresas de Segurança Privada, Sistemas de Segurança Eletrônica, Cursos de Formação e Transporte de Valores no Distrito Federal – SINDESP/DF.

Emergencial 4 

Entre as alterações determinadas no edital, está a exclusão da exigência de que as empresas participantes do certame comprovem a experiência mínima de três anos na execução de serviços de vigilância com no mínimo 50% do número de postos a serem contratados. No entendimento do Tribunal, essa exigência é desproporcional ao tempo máximo de vigência dos ajustes emergenciais, que é de 180 dias.

Emergencial 5

Em relação à planilha de custos, as mudanças determinadas pela Corte abrangem a metodologia de cálculo de direitos e encargos trabalhistas, como adicional noturno, horas-extras, desconto de vale-transporte e intervalo intrajornada, entre outros.

Licitação 

A contratação emergencial deverá garantir a continuidade dos serviços de vigilância nos órgãos do GDF até que seja concluída a licitação sobre o mesmo objeto. O edital de abertura do Pregão Eletrônico, lançado em abril, foi alvo de seis representações no TCDF e a licitação foi suspensa pela Corte em maio (Processo 12593/2016). A discussão deverá retornar ao Plenário para deliberação nos próximos dias.

Reflexão do dia 
Constrangedor é ter um profissional desse na nossa saúde! 
#vaitrabalharGutemberg

Marlon Costa- Coordenador de Acompanhamento Institucional do GDF

Fonte: Redação

Publicado 23/07/16 às 21:27

Brasília está ruim? Sua culpa!


"Brasília não tem jeito". "Nessa política só tem safado". "As coisas são assim mesmo" "Perdi a fé" e por aí vai. O nosso blog completou em 2016 cinco anos e nessa meia década ouço essas frases. Até cheguei a acreditar que isso era uma realidade. Mas ao longo do tempo eu percebi que as pessoas boas se ausentam do processo político. 

Quando os bons se ausentam, os maus dominam. É isso. Não tem para aonde correr. As pessoas são omissas por terem a crença de que política é só para ricos e poderosos. Mas não sabem que elas são poderosas, mobilizadoras e formadoras de opinião. Esses líderes muitas vezes preferem vencer seu apoio aos poderosos do que escrever a sua história e ter mais poder para ajudar o próximo de verdade. 

As pessoas preferem ter ódio dos ricos do que tentarem fazer algo diferente e não conseguem enxergar o tanto que são influentes. Se você olhar na história muita gente que não tinha dinheiro conseguiu fazer história e mudar a vida de milhões de pessoas. Se você olhar em sua volta irá perceber o tanto que pode influenciar as pessoas. 

Portanto, não fale mal de políticos e nem de política. Se tudo está uma porcaria é porque eu, você e todos são responsáveis. Reclamar não basta.  Brasília é composta na sua maioria por pessoas de bem com grande poder de liderança, só que infelizmente elas preferem ser simples coadjuvantes. 

O que escrevi aqui é só para as pessoas pensarem. Muitos vão discordar e inventar desculpas, mas é assim mesmo. O culpado é sempre as circunstâncias e o próximo. Cada um tem o político e a cidade que merece. 

Reflexão - No final dessa matéria coloco um vídeo inspirador do Policial Militar Aderivaldo Cardoso. Ele fez a diferença com esse vídeo e nem precisou de dinheiro só usou as palavras certas na hora certa.  


Fonte: Redação

Publicado 22/07/16 às 12:57

Um Passarinho Me Contou

...que o governador Rodrigo Rollemberg está praticamente coordenando a crise sozinho. A maioria das decisões tem partido dele mesmo...

...que o governador é orientado, mas, na maioria das vezes fala o que vem na cabeça. Esse negócio de ouvir assessoria não é muito com ele. Pura emoção...

..que o governador estava irritado porque o escândalo tirou o foco da agenda positiva que o próprio governo tinha programado.  Avalanche...

...que alguns servidores citados pela sindicalista Marli Rodrigues foram chamados para uma conversa ao pé do ouvido.  Todos juraram inocência...

...que Marcello Nóbrega um dos nomes citados nos depoimentos jurou honestidade até a última gota. Agora é esperar os depoimentos...

...que a CPI da Saúde só será no mês de agosto. No momento a maioria dos deputados distritais estão viajando de férias. Desopilar é preciso...

...que o deputado que mais apertou os depoentes na CPI da Saúde, foi o petista Wasny de Roure. Jà os outros estava atônitos com os acontecimentos...

...que alguns distritais ficaram aliviados quando a sindicalista Marli disse que não tinha conhecimento do envolvimento de parlamentares. É isso...

...que no polêmico organograma estava os nomes dos deputados distritais Robério Negreiros e Cristiano Araújo. Ambos estavam tranquilos diante a situação...

...que ficou evidente: os deputados distritais nutrem uma grande simpatia pelo vice-governador Renato Santana. Nem tentaram disfarçar a tietagem...

...que os elogios ao vice eram rasgados. Alguns parlamentares até tiraram selfies com Renato. Assim foi a CPI da Saúde. Cenas dos próximos capítulos...

...que o Palácio do Buriti pretendia dar uma mexida nas subsecretarias e até mesmos em algumas secretarias. Mudança de planos...

...que uma lida com muita atenção na Coluna do jornalista Hélio Doyle do Jornal de Brasília se faz necessário ( leia aqui) 

Eita Passarinho que sabe de coisas, gente!

Por Odir Ribeiro

Fonte: Redação

Publicado às 00:27

Coluna do Celson Bianchi


Entrevista especial

Telma Rufino (Sem partido) - deputada distrital


Presidente da Comissão de Assuntos Fundiários e procuradora especial da Mulher na CLDF, a deputada Telma Rufino (sem partido) analisou os trabalhos no primeiro semestre e afirma que a pauta será extensa na volta do recesso legislativo. A distrital aprovou importantes projetos e na última semana de votações foi a grande articuladora dentro da Casa para a prorrogação do prazo para a nova Lei dos Puxadinhos. Com personalidade forte, a parlamentar afirma que não gosta de grandes discursos na tribuna, mas seu trabalho nos bastidores tem rendido importantes resultados.

Celson Bianchi- Deputada Telma Rufino, após duas semanas de votações intensas e algumas pautas polêmicas, a Câmara Legislativa encerrou a pauta de votações. Como a senhora avalia esse primeiro semestre?

Telma: como você falou, encerramos o semestre com uma pauta muito extensa. A discussão sobre a regulamentação do serviço de aplicativo, como o Uber, foi amplamente debatida. Depois de muita discussão conseguimos aprovar o projeto. Mas essa foi apenas uma das pautas importantes. Para o meu mandato, foi um semestre muito positivo, tive três leis sancionadas, sendo uma a que determina a notificação antes das derrubadas. Na última semana derrubei o veto a quatro projetos de minha autoria, entre eles o que assegura o direito a prioridade nos programas habitacionais para famílias removidas de áreas de risco, o que garante 50% das vagas em cargos comissionados para mulheres e o do vagão exclusivo para mulheres no metrô.


CB- A Lei da notificação prévia causou muita polêmica. A senhora defende sua constitucionalidade?

Sim! Em caráter liminar, o TJDF suspendeu a Lei 5.646, enquanto não julga o mérito, mas manifestou-se contrário apenas ao item que fala sobre o poder de polícia da Agefis. O dispositivo que trata da notificação prévia não foi considerado inconstitucional. A Lei estabelece todos os critérios para notificação, não vale para novas construções, o que derruba as afirmações que vai incentivar a grilagem. Vale para imóveis habitados, dentro do PDOT, em áreas em processo de regularização, que pague IPTU e as famílias têm que atender às exigências da Lei 3.877/2006, que determina os critérios dos programas habitacionais no DF. Queremos apenas assegurar o direito à ampla defesa, como garante nossa Constituição.


CB- A senhora preside a Comissão de Assuntos Fundiários (CAF), como está a pauta para o segundo semestre?

Teremos muito trabalho. Estamos aguardando o envio da LUOS para a Casa, o projeto está sendo revisado pelo Executivo há mais de uma ano e meio. Precisamos trazê-lo à pauta novamente e tramita-lo. Também aguardamos o código de edificações e pretendemos avançar no quesito regularização.


CB- Sobre os processos de regularização, quais as expectativas da senhora?

Como todos sabem, moro em Arniquiera, uma área em processo de regularização. A maior luta do meu mandato é garantir a mais de 1 milhão de pessoas no DF, que moram em áreas irregulares, o direito a legalidade. O governo está com um rombo em seus cofres, a regularização combate à grilagem e devolve a estabilidade às contas do DF. Em Arniqueira avançamos muito. O governador estabeleceu a data de 30 de agosto para o registro em cartório do setor. O prazo é apertado e estou acompanhando de perto e cobrando diariamente. Em Vicente Pires já conseguimos o registro da Gleba 1.


CB- A senhora também responde pela Procuradoria Especial da Mulher na Casa, como funciona esse espaço?

A Procuradoria tem como função fiscalizar as leis em vigor e propor novas estratégias e projetos voltados à mulher. Aprovei vários projetos em benéfico da mulher, realizamos uma audiência pública muito importante sobre o combate ao feminicídio e consegui a criar a Defensoria dos Direitos da Mulher, dentro da estrutura da Defensoria Pública. Vivemos uma série de crimes bárbaros em poucos meses, temos que trabalhar em parceria com o Executivo, o Judiciário, o Ministério Público e a sociedade civil para reduzimos essa triste estatística. Brasília é a campeã no número de denúncias de crimes contra a mulher. Não queremos esse troféu.


Pressão nos deputados

Entidades que representam servidores públicos estão articulando uma intensa movimentação para o retorno dos trabalhos na Câmara dos Deputados, que deve ocorrer na primeira semana de agosto. Há grande possibilidade de que o plenário da casa analise o polêmico Projeto de Lei Complementar 257, que trata da renegociação da dívida dos estados perante a união e em contrapartida exige postura austera quanto aos gastos, inclusive com pessoal . A proposta é vista com péssimos olhos por sindicalistas, que veem no projeto uma ameaça a direitos consolidados pela categoria.


Retrocesso

Ibrahim Yusef, presidente do SINDIRETA - um dos maiores sindicatos que representam servidores públicos do GDF - afirma que um movimento sindical unificado deverá atuar no convencimento dos deputados brasilienses. “Mostraremos aos deputados que votar pela aprovação do PLP 257 é votar pelo retrocesso. É fragilizar o servidor público e, consequentemente, o Estado”, disse.


Alternativa

Contrário a aprovação do projeto, o deputado Rôney Nemer (PP-DF) tem buscado como alternativa a separação dos assuntos tratados. “Não podemos admitir que os servidores tenham direitos suprimidos e conquistas ameaçadas como contrapartida a renegociação da dívida”, afirmou.


Empate

A bancada do DF ficou dividida quanto ao pedido de urgência para a tramitação do PLP, que foi aprovado por 335 votos a 118. Assim, a proposta terá seu rito acelerado. Dos oito representantes do DF, quatro votaram favoravelmente a celeridade na análise do projeto e quatro foram contrários. Rogério Rosso (PSD), Ronaldo Fonseca (PROS), Izalci Lucas (PSDB) e Alberto Fraga (DEM) votaram a favor da urgência. Rôney Nemer (PP), Érika Kokay (PT), Augusto Carvalho (SD) e Laerte Bessa (PR) foram contra.


Não passou batido

Antônio Leitão, que é deficiente visual, ficou preso no elevador de uma agência do Banco do Brasil. O ex-subsecretário de Educação fez o registro, indignado, nas redes sociais.

Reflexão do dia 

Se o impeachment se tornar voto de desconfiança, melhor adotar de vez o parlamentarismo. Só assim a reforma política se impõe. 

Fernando Collor (PTC)- senador/AL

Fonte: Jornal Alô Brasília 

 
Copyright © 2015 - Todos os direitos reservados