20/09/2017 às 15:58

O fenômeno Bolsonaro


A corrida presidencial começa a ganhar a sua forma. As pesquisas de opinião colocam o ex-presidente Lula como líder. Mas esse não é o ponto. O protagonista das pesquisas é o deputado federal, Jair Bolsonaro (PSC) sem sombra de dúvidas. 

No começo da corrida presidencial poucos notavam Jair Bolsonaro, mas o tempo foi passando e o cenário tomou outro rumo. Os analistas  diziam que sua capacidade eleitoral não passaria dos 5%. Os números mostraram que essa teoria foi um ledo engano. O deputado é  assumidamente conservador e não rejeita o rotulo. Com esse discurso ele já alcança os 20% de intenção de votos e é o representante da direita. Não adianta torcer o nariz, Bolsonaro é um dos favoritos a corrida presidencial. 

Não há o que discutir Jair Bolsonaro é um fenômeno das redes sociais um território até então dominado pela esquerda. Mesmo assim, o parlamentar nada de braçada.  Conforme cresce nas pesquisas seu nome ganha mais força nas mídias digitais.

A pergunta é: quem impulsiona Bolsonaro? É muito fácil de responder:  a própria esquerda. Nos últimos tempos, o discurso da esquerda é só "Fora Temer,"  e chamar quem discorda de suas ideologias de "fascista."

Sem contar pautas feministas e LGBTs que a sociedade não "compra". As causas são justas, mas o jeito que a esquerda as conduz só traz rejeição. As bandeiras da esquerda só estão servindo para aumentar a própria rejeição. Assim Bolsonaro cresce sem parar. 

Quanto mais a esquerda e até mesmo a imprensa atacam Bolsonaro mais sua popularidade aumenta. Portanto, desconstruir Bolsonaro é um grande erro não precisa ser estudioso, os números mais uma vez dão as respostas.  

Quando o deputado começou a sua empreitada ele tinha entre 4 e 5% das intenções de votos. Ninguém o achava uma ameaça. Hoje seus índices batem na casa dos 20% e com toda a certeza não irão parar por aí. 

E mais: Se as eleições fossem hoje e Lula fosse impedido de concorrer as eleições, Bolsonaro seria o presidente da República e não adianta a esquerda e muito menos a imprensa espernear. 

Enquanto a esquerda e a imprensa erram Jair Bolsonaro pavimenta seu caminho rumo a presidência da República. 

Fonte: Redação

19/09/2017 às 20:31

Um Passarinho Me Contou


...que os velhos políticos estão com as barbas queimando e estão tentando dar um jeito de estar no poder em 2018. Vale tudo...

...que os caciques estão se articulando para colocar nomes de fora da política. Os preferidos são empresários bem sucedidos da cidade...

...que um desses nomes seria Beto Pinheiro um dos proprietários do Coco Bambu. Seu nome está sendo alvo de diversas especulações. Será que ele sabe?...

...que a vontade de um político da cidade é lançar Beto como candidato ao Palácio do Buriti. Esse nome circulou em uma roda...

...que se Beto Pinheiro não sabia agora sabe, se a sua orelha queimou foi por causa disso. A política é as suas conversas...

...que o ex-administrador do Paranoá, Waldir Cordeiro se desfiliou do PSB-DF. A falta de espaço na legenda foi o motivo do adeus. Simples assim...

...que alguns grandes nomes até querem se filiar ao PMDB-DF, mas digamos que o partido não tem passado aquela confiança. Problemas no seu comando...

...que um dos que estão sem filiação é o filho do ex-deputado distrital, Raad Massouh. Raad Júnior está a procura de uma legenda...

...que enquanto não for definidas as regras para 2018, muita gente irá ficar observando os acontecimentos para depois tomar uma decisão...

...que a filiação de Eliana Pedrosa no PMDB, pode subir no telhado. É tipo Eliana quer "A" e o PMDB, "B", se é que fui entendido...

Eita Passarinho que sabe de coisas, gente.

Por Odir Ribeiro 

Fonte: Redação

às 12:13

Chapa da Saúde

Os bastidores estão fervendo, a correria está toda concentrada em Jofran Frejat (PR) um dos candidatos mais bem colocados na pesquisa. A especulação gira em torno do seu futuro vice. 

O passarinho sobrevoou um restaurante da cidade e ouviu o nome de vários candidatos. Um dos citados foi o do presidente do Sindicato dos Médicos, Gutemberg Fialho. 

O médico é filiado ao PPL e seu nome foi ventilado, sim, nós ouvimos o bate-papo. Seria uma especie de chapa da Saúde. As conversas estão em curso. 

Gutemberg Fialho não quis falar sobre o assunto. 


Fonte: Redação 

às 11:56

A incoerência do PDT-DF

Brasília vive o cenário político mais confuso de todos os tempos. A maioria dos partidos sem identidade, oposição enfraquecida, além de uma sucessão política completamente indefinida. Sem contar a mediocridade dos nomes com mandato, juntamente dos que querem um lugar ao sol. 

Um desses exemplo é o PDT-DF, que faz parte da base do atual governador, Rodrigo Rollemberg. A legenda tem cargos em todas as esferas governamentais. No entanto, agora pensa em abandonar o barco e assim trilhar carreira solo. Ou seja, lançar o seu próprio candidato ao Palácio do Buriti. O nome da vez é o presidente da Câmara Legislativa do Distrito Federal (CLDF), Joe Valle. 

Na vida, mudar de rumos é normal, mas sempre carrega-se o passado junto. Com o PDT não será diferente.  Se o governo Rollemberg fracassou, o partido em questão faz parte diretamente desse revés, queira ou não. Já que os seus quadros ocuparam cargos em quase todos os corredores palacianos. 

Será que a intenção da legenda é lançar o seu candidato e esquecer o passado? Respondo. Sim. Faz parte da política, quando não lhe convém, abandonar o barco e procurar novos grupos. O PDT joga para se agrupar e assim pleitear melhores espaços no cenário da Capital Federal. 

Agora só resta saber se o eleitor irá "comprar" esse tipo de debandada. O certo é que nas eleições de 2018, nada de diferente do que estamos vendo, acontecerá. Quem for votar escolherá o que sobrou, porque no mundo político, os nomes transitam em todas as correntes e ponto. 

O PDT-DF pode deixar Rollemberg, mas nunca perderá o carimbo de que fez parte de um governo que não deu certo. 

Eis a política do DF, onde os políticos se reinventam para enganar os desavisados eleitores.⁠⁠⁠⁠

Fonte: Redação

14/09/2017 às 21:05

Em tom conciliador


O PDT-DF já não estava lá essas coisas e agora a vaca para o brejo de vez. Tudo por causa da Previdência dos servidores do GDF. Nessa guerra está as eleições de 2018 e a tão falada crise financeira. No Palácio do Buriti já se diz que alguns serviços ficaram paralisados. Inclusive na área de publicidade, a quem possa interessar. 

A normalidade da economia do DF depende de aprovação dessa reforma é o discurso palaciano e as articulações políticas giram em torno da aprovação do projeto que altera a previdência dos servidores públicos. Muitos capítulos vão render essa história. 

Para o presidente do PSB-DF e secretário de Turismo, Jaime Recena não é o momento de rusgas políticas, mas sim na resolução dessa crise econômica. "O governador não quer parcelar salários dos servidores e essa reforma irá colocar as coisas nos trilhos," disse o secretário. "Esse crise é nacional e em Brasília estamos a enfrentando de cabeça erguida e apresentando a solução,"  ressaltou Jaime. 

Recena diz ter a plena confiança de que tudo será resolvido e com um final feliz. " A economia da cidade depende dessa resolução e nenhum direito de servidores será retirado" frisou. 

Pelas palavras de Jaime Recena apesar das últimos acontecimentos, o tom não é de embate direto. O PDT ainda faz parte do governo e há muita articulação para ocorrer. Jaime mostra que a direção do PSB-DF está atenta as movimentações. 

Fonte: Redação 

13/09/2017 às 13:49

O "queridinho" do governador


O administrador de Taguatinga e secretário-adjunto das Cidades, Marlon Costa se reuniu nesta quarta-feira,13, com jornalistas e falou dos seus planos. Marlon é um dos políticos mais próximos ao governador Rodrigo Rollemberg. Na sua mesa quadros e selfies com o governador dão tom dessa proximidade.  

O administrador ressaltou que o DF vive uma crise a financeira é que a reforma da previdência iria fomentar a economia e assim haveria mais investimentos em obras e demandas das administrações regionais. "Essa crise financeira afeta  o governo num todo. Tenho certeza que a Câmara Legislativa irá tomar a decisão certa," ressaltou. 

Sobre o futuro político, Marlon evitou falar e disse que a prioridade é melhorar os serviços na Administração de Taguatinga. "Não estamos em período eleitoral essa discussão fica mais para frente," frisou. 

Na verdade Marlon é pré-candidato a distrital e trabalha para isso. Rollemberg ficaria contente com a vitória do seu pupilo. Podem ter certeza.  

2018 promete.

Fonte: Redação

às 12:48

Menudo na política

 
Copyright © 2015 - Todos os direitos reservados