Publicado 03/10/16 às 09:35

Coluna do Celson Bianchi


Água

A crise hídrica por que passa o Distrito Federal poderá pesar no bolso do brasiliense. Em comissão geral realizada na Câmara Legislativa, a Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do DF (Adasa) anunciou tarifa de contingência para incentivar a economia de água. Com a medida, a conta poderá aumentar em até 40%, variando de acordo com a categoria do consumidor e a faixa de consumo. Resolução sobre a matéria ainda será discutida em audiência pública hoje (3).

Água 2

Segundo explicou o presidente da Adasa, Paulo Salles, a tarifa deverá ser cobrada quando os reservatórios atingirem o limite de 25%. Hoje, o reservatório do Descoberto, por exemplo, funciona com 34% de sua capacidade. "As previsões são as piores possíveis, e precisamos começar a poupar desde já", afirmou. Segundo informou, se cada núcleo residencial reduzir o consumo em 15%, será garantido o abastecimento de mais de 400 mil pessoas por mês.

Segurança

A Comissão de Segurança da Câmara Legislativa do Distrito Federal aprovou o projeto de lei, de autoria de Roosevelt Vilela (PSB), que permitirá a integração de sistemas de segurança de condomínios residenciais, empresariais e comerciais com as ferramentas de tecnologia utilizados pela Polícia Militar, Polícia Civil e Corpo de Bombeiros. A proposta inda tem que passar por outras comissões da Casa, antes de ir à votação no plenário.

Segurança 2

De acordo com o projeto, esta integração de sistemas de segurança seria feita por meio da assinatura de convênios com o GDF. Os custos para a instalação e integração dos sistemas seria bancado pelos condomínios ou grupos de comerciantes interessados. Na justificativa da proposta, Vilela argumenta que a otimização dos sistemas contribuirá para identificar suspeitos, melhorando a segurança da sociedade.

Debate lá e cá

Em audiência pública no plenário da Câmara Legislativa, realizada na sexta-feira (30) sindicalistas ligados à Central Única dos Trabalhadores (CUT) criticaram a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 241, encaminhada ao Congresso Nacional pelo presidente da República, Michel Temer, propondo Novo Regime Fiscal, fixando tetos de gastos públicos para os próximos 20 anos. O evento foi de autoria da bancada do PT.

Vazio

Ao abrir o debate, o deputado Chico Vigilante (PT) lamentou a ausência de muitos sindicalistas que foram convidados para participar da discussão, como também de dirigentes do governo local. "Essa PEC não é qualquer coisa. É uma emenda constitucional apresentada por golpistas arrogantes, que querem estabelecer limites de gastos na educação e saúde pública, que não podem ter investimentos acima da inflação", protestou o parlamentar, defendendo mobilização da sociedade contra a aprovação da referida PEC, no Congresso Nacional.

Alerta

A investigação do Ministério Público e da Polícia Civil do DF na Operação Drácon deve durar pelo menos até novembro. Responsável pelo caso, a vice-procuradora-geral de Justiça do DF, Selma Sauerbronn, pediu ao relator do caso, desembargador José Divino de Oliveira, vista dos autos pelo período de 60 dias. O prazo começou a contar em 8 de setembro. 

Reflexão do dia 

O Distrito Federal está se notabilizando por injustiças. O exemplo mais latente são as malfadadas derrubadas promovidas pela AGEFIS. A Câmara Legislativa debateu esse assunto e concluímos que é preciso frear os desmandos. Nenhum deputado é favorável a grilagem de terras, mas é preciso separar os compradores de boa fé que foram enganados, inclusive pela omissão do governo, e as pessoas que enriqueceram vendendo terrenos irregulares. 

Robério Negreiros (PSDB)- deputado distrital  

Fonte: Jornal Alô Brasília 

ZapZap
 
Copyright © 2015 - Todos os direitos reservados