Publicado 05/09/16 às 00:01

Coluna do Celson Bianchi

Três perguntas para Joe Valle (PDT)....

Celson Bianchi- Por que voltou para a Câmara Legislativa?

Joe Valle – Fui eleito para ser deputado e acredito que a minha missão na Secretaria de Desenvolvimento Social, Trabalho, Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos (SEdestmidh) foi cumprida. Voltamos à Câmara Legislativa para dar continuidade ao trabalho realizado pelo mandato e também para fortalecer a Política Distrital de Assistência Social, o setor produtivo, meio ambiente e outros temas.

CB- Como você avalia o trabalho realizado na SEDESTMIDH?

Joe Valle - Assumimos a Sedestmidh para de alguma forma, contribuir com o Governo de Brasília, com a população do Distrito Federal e sobretudo com a população em situação de vulnerabilidade social. A Pasta está bem organizada em sua estrutura hierárquica e bem direcionada em sua meta e em seus objetivos, com quadro próprio de técnicos e especialistas da área da assistência social, ainda que deficiente. Isso não quer dizer com isso que todo o trabalho foi feito, pois é necessário aprofundar as mudanças iniciadas na nossa gestão. Procuramos implantar uma educação corporativa de excelência. Para isso, traçamos algumas diretrizes cruciais: Gestão planejada, compartilhada e colaborativa; Cuidar de quem sabe cuidar; Credibilidade e presença nas pontas; e Radicalização na transparência.
Tenho certeza que as sementes deixadas estão todas germinadas.

CB- Você é um dos representantes do setor produtivo na Câmara Legislativa. Quais as alternativas para crise econômica que atinge o Distrito Federal?

Joe Valle - É necessário consolidar o setor produtivo na capital do país, para que sejam criados “empregos perenes”. Acredito em dois caminhos para a recuperação diante da crise. Um deles é cortar custos e outro é aumentar a arrecadação do Setor Produtivo. A CLDF também precisa discutir um modelo de desenvolvimento para a nossa cidade, discutir uma legislação de incentivo ao setor.

Jogo rápido

Política se faz a toda hora. Dia desses, num grupo de mensagem instantânea um líder comunitário que atua na defesa da regularização de condomínios resolver fazer uma vaquinha para comprar equipamentos de som. Precisava arrecadar R$ 600. O material seria usado num carro, que iria percorrer as ruas anunciando novidades para os moradores de condôminos. O ex-vice-governador Tadeu Filippelli soube da história e agiu rápido. Na hora soltou: "se ele está nos ajudando nesta luta, vou doar o equipamento completo". 

Regularização

A regularização do Setor Habitacional Arniqueiras foi a pauta do 1º Fórum de Síndicos da região, realizado no sábado. O encontro contou com a presença da presidente da Comissão de Assuntos Fundiários, deputada Telma Rufino (sem partido) do governador Rodrigo Rollemberg (PSB) e de representantes da SEGETH, Codhab, Terracap, Ibram, CEB, CAESB, administração Regional e Gerência de Arniqueira.


Regularização 2 

Cerca de 600 pessoas participaram do Fórum e tiveram a possibilidade de tirar suas dúvidas sobre o processo de regularização. Representante da cidade na Câmara Legislativa, Telma Rufino ressaltou o trabalho que tem sido realizado para regularizar o bairro. A distrital pediu o apoio da comunidade e disse que esse é um trabalho que depende da união de todos.

Turismo

Brasília esteve representada pelo artesanato local e o turismo rural no lançamento da 12ª Feira Internacional das Embaixadas, na Embaixada do Líbano. Na ocasião, os presentes conheceram as novidades da nova edição do evento, que ocorrerá em 12 de novembro, na Expobrasília, no Parque da Cidade.

Turismo 2

No estande da Secretaria de Esporte, Turismo e Lazer, os participantes mergulharam na cultura local por meio dos produtos confeccionados por artesãos e trabalhadores manuais da cidade. O setor turístico rural também apresentou os destaques do setor com guias de viagens no entorno da capital, em locações que exploram a natureza, hospedagens, além de uma degustação da culinária regional.


Fiscalização

Desde 2015, o Tribunal de Contas do Distrito Federal analisa a aquisição, o armazenamento e a distribuição de órteses, próteses e materiais especiais (OPMEs) pela Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal. O relatório final da auditoria realizada pelo corpo técnico revela que houve má gestão de, pelo menos, R$ 75 milhões. Na fiscalização, foram apontados indícios de conluio entre empresas para fraudar licitações; compras em quantidades muito superiores à necessidade da rede, sem justificativa; aquisição de materiais de baixa qualidade; precariedade no controle da distribuição dos materiais e no armazenamento de OPMEs, entre outras irregularidades.

Fiscalização 2

Entre as determinações feitas pelo Tribunal à Secretaria de Saúde do DF está a abertura de processo administrativo para apuração e eventual aplicação de penalidades em face de conluio por parte de cinco empresas que participaram de processos licitatórios para aquisição de OPMEs. As evidências das fraudes promovidas pelas empresas fornecedoras incluem o oferecimento de propostas por algumas empresas apenas para os lotes em que foram vencedoras; a repetição de sequência ínfima de lances, indicando tratar-se de figuração; e a divisão praticamente igualitária do valor global da ata de registro de preços. 


Fiscalização 3

Em um dos Pregões Eletrônicos, por exemplo, as quatro licitantes ganharam lotes que somam R$ 14 milhões. Ademais, verificou-se a reprodução dessas práticas em mais de um certame.


REFLEXÃO DO DIA 

"Brasília pede socorro! Mais de 11 mil empresas encerraram suas atividades de 01 janeiro a 31 de agosto: duas por hora. E mais uma Conta para os empresários pagarem.  Quando é que Brasília terá um programa para desenvolver nossa economia?"

Cleber Pires- presidente da ACDF

Fonte: Jornal Alô Brasília 

ZapZap
 
Copyright © 2015 - Todos os direitos reservados